sábado, 16 de fevereiro de 2008

Lágrimas em excesso


Uma das alterações oculares mais freqüentes observadas em crianças com menos de um ano de idade é a Obstrução Congênita da Vias Lacrimais (OCVL). "A causa mais comum de lacrimejamento do recém-nascido é a obstrução do canal lacrimal", informa o oftalmologista Virgilio Centurion, diretor do IMO, Instituto de Moléstias Oculares.

"A principal causa de obstrução do canal lacrimal é a presença de uma membrana na região da válvula de Hasner, no local de abertura do ducto nasolacrimal, na cavidade nasal.

O diagnóstico de obstrução do ducto nasolacrimal é feito quando o oftalmologista encontra a combinação de lacrimejamento, presença de secreção muco purulenta, aspecto de 'olho melado' e dermatite na pálpebra inferior, sem sinais inflamatórios. "Além das alterações causadas pelo lacrimejamento é comum que a criança apresente com maior freqüência episódios de conjuntivite bacteriana. O excesso de umidade nos olhos favorece o desenvolvimento de bactérias que causam a conjuntivite", diz Maria Carrari.

Tratamento

Na grande maioria dos casos, a OCVL desaparece antes do primeiro ano de vida da criança. "Recomendamos a realização de massagens, compressas com água morna, limpeza dos olhos com soro fisiológico ou colírios de lágrima artificial", afirma Maria Carrari. As massagens no saco lacrimal e no trajeto do ducto nasolacrimal são a opção de tratamento mais efetiva.

A oftalmologista explica que, inicialmente, realiza a massagem no consultório e orienta os pais como devem proceder para realizá-las em casa. "Nos casos em que há conjuntivite bacteriana associada à obstrução do ducto nasolacrimal, o uso de colírios também é indicado pelo oftalmologista", informa a especialista.

Quando as massagens e o tempo não resolvem o problema, surge a necessidade de desobstrução do ducto nasolacrimal através de um procedimento cirúrgico chamado sondagem, realizada pelo oftalmologista.
"Normalmente, não realizamos este tipo de procedimento, a cateterização, antes dos nove meses de idade", informa a oftalmologista. Para a realização desta cirurgia, a criança deve estar sob sedação (anestesia geral inalatória), portanto ela é realizada no hospital, porém de forma ambulatorial, ou seja, a criança entra e sai do hospital no mesmo dia.



Fonte

5 comentários:

Tati & Pedro disse...

Olá July,
Como vai o Pedro?
O meu Pedro chegou antes da DPP tbm..hehehe...estou muito feliz!!!
Bjos

Sofia e Pedro disse...

Olá mamã, como estás tu e o Pedro?
Obrigada por este texto tão útil!
Beijinhos,Sofia,Pedro e Joana

Mamãe Raquel disse...

Juli e as cólicas do Pedro dimunuiram...faz uma semana que o rafa esta tranquilo, e sem colicas

Mamãe Raquel disse...

bjs e uma linda semana

Rocio disse...

Essa foto bonito olha a verdade é que eu espero que, em algum ponto, você pode vê-lo bem, mas por enquanto estou visão ruim meu médico recomendou que eu comprar lentes bausch e lomb